Sofri violência Obstétrica

Há 7 meses o Otto chegou ao mundo de uma maneira não muito agradável, mas lutei para que fosse o mais respeitoso possível. Não ti...



Há 7 meses o Otto chegou ao mundo de uma maneira não muito agradável, mas lutei para que fosse
o mais respeitoso possível. Não tinha dinheiro para ter o Otto em parto domiciliar, que no Brasil é um absurdo, porém justo. Afinal, é uma equipe grande para dar o suporte necessário, incluindo a Doula.
Já sabia que teria  Otto pelo SUS, e que todo o meu pré-natal também seria por lá. Pois bem, os meses foram passando as consultas eram sempre muito produtivas  sempre deixava claro que o parto normal era a minha escolha.


No dia 7 de março tive a minha ultima consulta por volta das 15h e já há 3 dias que meu tampão estava saindo. Não achei que fosse pra frente, imaginei que ele fosse chegar dia 10 de março mesmo, de acordo com a data prevista.
Porém, na noite do dia 7 eu já sentia que o Otto estava querendo vir, e comecei a sentir as contrações bem leves. Foi lindo e uma ansiedade bateu. O Hugo estava com os amigos e eu tentava falar com ele mas não conseguia, e as contrações iam aumentando. A hora mais intensa foi quando sentava na bola de pilates para ir relaxando, mas esquecia que abria mais a pelves e mais encaixado ficava.

Mas tava super bem, até que senti uma fortíssima e consegui falar com a Nathalia que é Doula e que ficou de me dar um suporte antes de chegar à maternidade. Fiz com que o Hugo entrasse em contato com a Nath para se encontrarem, afim de trazê-la pra casa. Ela chegou e disse que eu estava ótima, mas eu sabia que a hora estava chegando.
Horas se passavam e a dor só ia aumentando e eu gritava, uma dor horrível mas eu sabia que era pro meu bem. Exatamente à 5h30 da manhã a bolsa estoura na cama e fomos correndo para a maternidade. Chegamos e fomos muito mal atendidos, o médico plantonista se recusou ler o plano de parto (onde a gestante escreve o que ela não quer que faça durante o parto); a enfermeira me tratou  feito um lixo quando tentava tirar a minha blusa.
Estava com 10cm de dilatação e a enfermeira me colocou sentada na cadeira de rodas. Foram erros e violências atrás da outra. A monobra de Kristeller, episiotomia, ocitocina e o parto clássico (deitado) foram impostos, não tive voz alguma e a Nathalia que foi a minha acompanhante, muito menos.

Otto nasceu com APGR 3  depois 9. E fui descobrir que quase morreu quando ele foi fazer o teste do pezinho e o pediatra me falou, porque se dependesse do médico que fez meu parto, estava ferrada e nunca saberia.

Sofri muitas violências que marcaram muito a vida. Apesar do Otto ter nascido bem, mepreocupa muito esse atendimento precário da rede pública que mata mulheres e bebês todos os dias.
Nós mulheres precisamos resistir e lutar pelos nossos direitos. Questione sem medo  e vá a luta!

Otto está com 7 meses hoje e graças à Deus está mais sapeca do que nunca.



Quero saber mais

0 comentários