O poder das classes dominantes e as viagens de fim de ano

Tem que acreditar.  Desde cedo a mãe da gente fala assim:  'filho, por você ser preto, você tem que ser duas vezes melhor.'...

Tem que acreditar. 

Desde cedo a mãe da gente fala assim: 

'filho, por você ser preto, você tem que ser duas vezes melhor.' 
Aí passado alguns anos eu pensei: 
Como fazer duas vezes melhor, se você tá pelo menos cem vezes atrasado pela escravidão, pela história, pelo preconceito, pelos traumas, pelas psicoses... por tudo que aconteceu? duas vezes melhor como ?  Racionais MC'S




Durante o caos das eleições, muitas máscaras caem e apenas uma parcela assume a própria identidade. São incrédulos oportunos, ativistas a espreita e por fim, a classe A que acredita na mudança do país através da economia. Posso discordar, produção? Te digo porque. Por que a economia do país não depende e nem sequer gira entorno de elites que viajam todos os anos para MIAMI, que gastam fortunas e esbanjam a riqueza com tênis de NOVECENTOS E CINQUENTA REAIS. Gostaria muito de perguntar ao Eike Batista o quanto ele doou para instituições de caridade, mas eu tenho medo da resposta e tenho receio de não ter resposta.

A população brasileira sempre tentou firmar-se em meio a uma crise existencial. O negro é sempre pobre e quando se torna rico, o sistema desenvolve técnicas afim de mante-lo afastado dos brancos, uma manipulação entende? O capitalismo exige uma roupa melhor, um inglês fluente e uma pele clara, de preferência parda. Justo seria uma mãe de 6 filhos que vive no morro do Alemão, questionar sobre o futuro do dinheiro que ela recebe todos os dias, seja vendendo o seu corpo através do sexo ou como faxineira em apartamentos luxuosos no Botafogo. Cotas em universidades evidenciou o racismo e a exclusão social. É tudo contraditório. Não existe oportunidades esclarecidas muito menos indivíduos preparados para enfrentar os problemas do nosso BRASILZÃO.

Um belo exemplo do despreparo político, lindamente ilustrado, remete ao dia 30 de setembro de 2014 quando o candidato à governador do PSOL Tarcísio Motta, questiona ao candidato Pezão do PMDB o desaparecimento do ajudante de pedreiro Amarildo, que "sumiu" no dia 14 de julho de 2013. O tema tornou-se símbolo de casos de abuso de autoridade e violência policial. Os principais suspeitos no desaparecimento de Amarildo são da própria polícia, que hoje já foram condenados. Pezão sorri e por alguns segundos pensando ou vegetando diz: ''Eu criei as UPP's''. Infelizmente, confirmou inocentemente o poder que os policiais tem perante a minoria. 

O tema em pauta é o dinheiro e não é qualquer um que tem o direito de vomitar ou cuspir, mesmo que limpe em seguida. Se eu relato a minha indignação e você acha isso tudo uma bosta, infelizmente, a sua capacidade de entender a política do nosso país não chegou, mas eu tenho esperança que isso aconteça com os demais iguais à você. Entre MACBOOK e lápis e caderno, você arruma uma desculpa ecológica. Mas será que os meninos do lixão tem o mesmo direito que você atualmente? Ou eles apenas possuem uma opção?

Você tem o direito de não concordar, porém o refletir sobre deveria ser uma obrigação. Pense nisso, e se possível rápido.

Por Amanda Belém

Quero saber mais

1 comentários