O ''ser'' importante -Part 9- Raio X da minha vida!

Não me levantei normal como nos outros dias, apenas me levantei e ponto. Não fiz meu agradecimento como de costume, fui ao banheiro e l...


Não me levantei normal como nos outros dias, apenas me levantei e ponto. Não fiz meu agradecimento como de costume, fui ao banheiro e lentamente desci as escadas. Acredito que algumas dores muito fortes voltaram e uma região extremamente chata. Sim, hoje é o tal dia do Raio X, não é nada demais, serve pra justificar se há alguma coisa errada (eu sou errada) com os meus pulmões. Apesar de tudo, sinto vontade de fumar, mas ao mesmo tempo não me agrada. Não é pra mim, ficar fedendo a Malboro, Lucky Strike ou Derby mesmo. A única coisa que tenho vontade é tragar os pensamentos ruins que alguns teimam em torná-los indestrutíveis.

Tomei o meu café como faço sempre, dei bom dia um tanto ríspida e não precisei cozinhar pois, sobrou comida de ontem, e vai isso mesmo. Arrumei as coisas que estavam fora do lugar e tentei colocar a cortina que estava caída no chão do meu quarto, agora pode entender o motivo da luz nos meus olhos logo de manhã. A ideia de começar um livro novo e deixar a Katchadorium Repugnante ( Precisamos falar sobre o Kevin) de lado, não foi o bastante, eu apenas queria ficar na minha. Quem sabe comer um Negresco não me fizesse bem?

Continuo me perguntando porque não me inclinei ou desisti de tentar algo com aquela pessoa?! Acordei meio depressiva por isso talvez, por não encontrar nenhuma resposta concreta. Ta tudo uma incógnita, ta sim. E ainda tem gente querendo tornar mais indecifrável.
Passei a tarde dormindo, quase que em coma induzido, diferente de ontem. Quando o relógio marcou 15 horas e 30 minutos, tive que me levantar para comer novamente e tomar banho pra ir ao centro da cidade.

Não, eu não estava afim, cara. Principalmente quando ouvir algumas músicas que remetem ao ''tal'' me fizessem estar a par de desistir de ir ao destino. EU nunca fui assim tão IDIOTA! Essa parada de amor nunca foi tão claro pra mim, eu só namorei uma vez e por um tempo suficientemente grande...4 anos.

Talvez eu devesse procurar um outro alguém, que me entenda...

Falando sério, cheguei no centro da cidade e passei na loja de um amigo pra contar algumas novidades e saber como ele estava. Encontrei com antigos colegas de estágio da agência onde eu estagiava, e fiquei sabendo que as coisas por lá não andam nada bem. Depois de 2 semanas que pedi minhas contas, a menina que eu achava que tivesse a minha idade, decidiu evaporar. Pulei de alegria por dentro! Papo vai e papo vem ''... infelizmente gente tenho que ir, tenho um exame pra fazer agora, beijos''.

Voei. Ainda queria passar no ''Casarão'' pra dar ''oi'' na minha melhor amiga, são 6 anos de amizade. Cheguei à tempo e fiquei por ali conversando até o relógio marcar 18 horas. As conversas por mais que eu tentasse, sempre voltavam no camarada, afinal foi lá que ''nos conhecemos''. O clima tava ficando chato, resolvi vazar, seguir o meu caminho.

O meu destino era a Radiológica. Fui chamada logo que cheguei e tive que colocar o nariz em uma placa chata de metal. Não foi nada confortável, não mesmo. Estava sem ar e o rapaz muito simpático disse :'' Não se mexa'' umas 5 vezes. Sorte que no final não tive que refazer. O resultado estará pronto semana que vem e a minha espera no ponto de ônibus até que durou pouco. Enfim Amparo chegou.

Me recordo que às 22 horas tenho um filme pra assistir :'' Um homem de sorte'' originado do Livro de Nicholas Sparks. Espero não chorar...

Por Amanda Belém


Quero saber mais

0 comentários