O ''ser'' importante -Part 11- ''Olhos que veem mais uma vez''

Suponho ter passado uma semana em coma. Já  não conseguia  fazer mais nada desde da ultima vez que resolvi me aventurar ( Perdoem-me...

Suponho ter passado uma semana em coma. Já  não conseguia  fazer mais nada desde da ultima vez que resolvi me aventurar ( Perdoem-me). Foram dias pensando e remoendo coisas que só o tempo explica . Depois de 9 dias decidi voltar a continuar os meus devaneios momentâneos, as minhas quedas pela literatura e uma dose de conhecimentos.

Me surpreendi nesses ultimos dias, pois, abusei dos meus limites. ''Não devemos desistir nunca, não devemos desistir jamais''- já diziam ''Os Melhores do Mundo'' na peça teatral -Joseph Climber. Fiz Yoga e fiquei destroçada, terminei um livro intenso e dramático (Precious), conversei com minha mãe sobre homens, medos e incertezas; tive mais paciência com meu pais, me alimentei melhor, troquei  algumas músicas da minha playlist; assisti muitos filmes; comprei um livro ( Um Homem de Sorte) ; fiz às unhas e falei muito palavrão.

Pode parecer estranho, mas fumei 4 cigarros Lucky Strike de menta. Eu sei que isso é errado, sei que to numa fase difícil, e que cigarro causa câncer de pulmão, de boca, de laringe blá blá blá. Tô ligada nos riscos e não é a toa que o maço tá lá...parado.

Pra quem conhece a minha história pelos meus textos, deve estar pensando que eu devo ser mais ''uma louca que tá perdida no mundo'', e pelo contrário, sou muito bem orientada e não to fazendo as coisas por influência da sociedade ou muito menos por ser algo, 'cult'.

O ponto é que não tem ponto, eu decidi fazer e zéfini. To afim. Não é legal fumar, não é legal se decepcionar, beber demais... tudo em excesso prejudica. Eu sei ponderar, sei me controlar e fico atenta analisando cada momento pra saber a hora de dizer : '' Stop Baby''. E essa ideia de estourar bolinhas pra dar gosto ao cigarro é chato.

Minha mãe sempre diz :'' Você pode tudo, mas tudo tem a hora certa e um fim, pense nas consequências se for continuar''. Muitos tem medo de arriscar, medo de sei lá... cair em um buraco e nunca mais conseguir se levantar. Posso sim ter alguns receios, me declinar algumas vezes, mas isso não quer dizer que não vou seguir adiante . Amanhã é outro dia, levanto mais cedo. Por isso, ontem experimentei de verdade um baseado. Digo 'de verdade' não porque eu tenha brincado disso, mas eu só aspirei a fumaça e nunca traguei.

Não foi ''IRADO" mas também não foi '' RUIM", me senti muito idiota rindo a toa, minhas pálpebras pareciam gelatina, conseguia prestar atenção em tudo que estava ao meu redor e meus olhos ficaram vermelhos. Vi alguns cogumelos e borboletas no meu nariz, tipo 3D mesmo. Depois de 3 horas,  tava me batendo um sono e eu já estava a caminho de casa. Fui dormindo no ônibus pra chegar com cara de sono e não de chapada, meu pai sabe identificar bem essas coisas.

Mas foi tranquilo, só sei que dormi demais e tava falando lentamente. Minha cabeça estava ecoando e minhas amídalas ainda estão inchadas. Continuo lesada, além do normal, mas não quer dizer que não volto amanhã! 


Por Amanda Belém

Quero saber mais

1 comentários